Subindo a Montanha Sagrada da Vida

Como sair do redemoinho de problemas

Quem nunca se sentiu andando em círculos, desesperado, sem encontrar saída para uma dificuldade? Quem não tem problemas? Qual a real dimensão de um problema? Como podemos ultrapassar as dificuldades da vida?
Lorenza nos pergunta:
Por que, filhos, vos atormentais assim? Por que, filhos, sofreis assim? Sempre que o desespero vos envolver e a angústia vos transtornar, orai as minhas preces, fazei as minhas bênçãos. É o ser humano que me importa, é o ser angustiado, que se debate nas grades que ele próprio colocou. Vinde a Mim e vos darei o meu regaço, a minha compreensão e o meu entendimento, quando lerdes e ouvirdes minhas palavras. Dai-me vossa mão nas vossas dificuldades e subi Comigo a a e, lá de cima, olharemos para os vossos problemas.
O significado de subir a montanha
Subir a montanha sagrada da vida é uma expressão que Lorenza utiliza para que possamos compreender e ultrapassar as pedras (problemas) do caminho durante as nossas vidas. Significa olhar de cima para todos os lados com serenidade e equilíbrio de emoções. Quanto mais alto subirmos, maior será a compreensão das causas e conseqüências dos nossos problemas. Somente após subirmos a montanha, poderemos vislumbrar o caminho certo.
O que vemos quando estamos à porta de uma casa? Com certeza, o outro lado da rua e quase mais nada. E se subirmos no telhado? Veremos mais do que anteriormente; veremos os telhados, outras casas, a rua de um lado a outro e, talvez, outras ruas. Agora, imagine se subirmos no topo de um prédio de dez andares: teremos uma visão ainda mais ampla da vizinhança, poderemos ver pessoas, carros etc. Esta visão mais ampla poderá nos ajudar a entender melhor a nossa vizinhança e saber, de antemão, se uma pessoa está se aproximando. É como se tivéssemos subido uma montanha e, então, tivéssemos uma visão mais ampla do espaço e do tempo ao nosso redor.
Subir a montanha permite-nos buscar o equilíbrio das emoções e o alívio das dores. Permite-nos encontrar o melhor caminho e a melhor forma de ultrapassar os desafios dos problemas que se nos apresentam para que possamos trilhar o caminho da evolução.

Por que subir a montanha?
PARA VERMOS OS PROBLEMAS COM CLAREZA
Subireis degraus onde ireis aprender a buscar o “fato” que tereis que solucionar. Tereis que olhar e estudar para poder ultrapassá-lo um de cada vez. Nessa evolução, para chegardes ao ponto de serdes livres, tereis que caminhar devagar; tereis que subir entendendo, olhando, observando, sofrendo, rindo, tentando melhorar, caindo e levantando, aprendendo o que está além do vosso conhecimento.
Quando se apresentar a vós um grande problema, “uma grande pedra”, não a examineis de perto. Subi a montanha e de lá olhai, novamente, para ver o que cerca esta pedra (problema). Só, então, podereis julgar e proferir as vossas palavras. Lembrai bem, a Paciência é um grande poder. Aprendei, ela terá que fazer parte de vós, pois precisareis da paciência quando vossos problemas vos cercarem.
PARA NOS TORNARMOS UM “SER HUMANO EM PÉ”
Fostes feitos para seguir, fostes feitos para vencer e o vencedor é aquele que faz, que sobe a montanha, que ajuda aos que estão caindo sem proferir palavras de mágoa ou de dor, que possam ferir aos que vos fizeram tanto mal.
Vossa missão não é pequena, pois tendes a vós próprios para olhardes, a vós próprios para colocardes em pé para que possais subir as montanhas.
Vinde! Daí-me vossa alma para que nela penetrem a paz, o amor e o equilíbrio, porque se vós cairdes, todos os que vos rodeiam cairão.
Lembrai: sois um ser humano que terá que ficar em pé para que a vossa missão possa ser cumprida, para que os vossos 9 possam entender, possam ver o que é certo e o que é errado, o que significam o sim e o não.
Tornar-se um ser humano em pé é saber ultrapassar as dificuldades com paz, amor, equilíbrio e fé. Esta sabedoria, entretanto, não nasce com as pessoas, mas tem que ser aprendida aos poucos, passo a passo, com muito esforço e determinação.
PARA AJUDARMOS OS NOSSOS 9
Lorenza explica que 7 é seu dia, isto é, o dia em que Ela veio. E que 7, 17 e 27 são signos de Sua Força.
7
17 = 7 + 1 = 8
27 = 7 + 2 = 9
Lorenza é o 7. Os números 8 e 9 provêem de Sua própria Força. Os 8 são todos aqueles que recebem ensinamentos diretamente da Lorenza. Os 9 são aqueles que se achegam aos 8 e deles, ou de outros 9, recebem ensinamentos. Os 9 recebem, portanto, ensinamentos da Lorenza apenas indiretamente. Cada 9 tem seus 9 que, por sua vez, têm seus próprios 9 e assim por diante, formando uma rede de ajuda. Cabe aos 8 e aos 9 a missão de transmitir a Nova Filosofia de Vida, cujo principal objetivo é colocar o ser humano em pé.
Enquanto estiverdes aqui, a vossa responsabilidade será grande porque tereis que ensinar os 9. Estais interligados como em uma teia e tanto podem tecer coisas boas quanto ruins.
A única força mais poderosa do que nós é a força da ajuda a alguém, a Força do Bem. A bondade é uma arma muito poderosa. Ela distribui a paz e o amor para aqueles que estão magoados, furiosos ou brigando, plantando, assim, a semente do Bem e desfraldando a bandeira da Nova Filosofia de Vida.
Dai aos vossos 9 o amor e ao julgardes quem vos pede conselho, quem vos fere, quem vos maltrata, lembrai sempre: julgai com sabedoria. Subi Comigo a montanha e, lá de cima, olhando tudo o que vos cerca, tudo o que está à frente e tudo o que ficou para trás; só então proferi vossa opinião, dai o vosso conselho.
Eu sou a Luz na escuridão dos vossos caminhos. Eu vos ilumino e vós iluminareis o caminho de vossos 9.
PARA NOS TORNARMOS UM SER LIVRE
Existem dois tipos básicos de liberdade: a “liberdade de” e a “liberdade para”. Quando pensamos em “liberdade de”, pensamos no que nos prende, ainda que de maneira inconsciente. Assim, podemos estar presos a emoções que nos cegam – tais como a raiva, o ódio, a inveja – que nos causam dor e depressão. Podemos, ainda, estar presos fisicamente a alguma limitação ou doença, ou mentalmente, pelas crenças, egocentrismos, cobiça ao poder e até mesmo aos traumas do passado ou o medo da incerteza do futuro.
Lorenza nos orienta na libertação dessas nossas limitações para que alcancemos a “liberdade para” realizar as nossas missões.
Eu estou aqui para vos dar amor, para tornar a pegar a vossa mão, para que possais trilhar pelo caminho que foi traçado para vós. Vinde, subi a montanha sagrada da vida envolvidos no meu Manto e na minha Bandeira, para que vos torneis livres e fortes, tão livres como Eu.

Como subir a montanha sagrada da vida?
Podemos subir a montanha, dentre outros modos, rompendo os círculos que nos prendem; equilibrando as nossas emoções; aperfeiçoando nossa capacidade de discernimento e ajudando os 9. Estas formas de subirmos a montanha são, simultaneamente, objetivos a serem alcançados e caminhos a serem percorridos.
Diz Lorenza que não importa o problema pelo qual estamos passando mas sim, a forma como o ultrapassamos. Para tanto, nos diz “colocai os vossos pés com força no chão e vosso coração no Alto”. É preciso que paremos para pensar, subamos a montanha e digamos: “eu preciso olhar tudo, entender, compreender, sem que aquilo possa me ferir, sem o envolvimento da emoção e, assim, conseguir perdoar tudo o que me fizeram passar”. Para isso precisamos:
NÃO BATER DE FRENTE
Não enfrenteis vossas pedras como se fossem lutadores. Deixai que as pedras permaneçam no lugar. Cercai-as por todos os lados. Quando chegar no alto da montanha sagrada da vida, vereis que essas pedras que eram tão grandes se transformaram em simples pedregulhos, em coisas que perderam seu significado. Que vossas lágrimas sigam como o vento pelo deserto buscando um oásis que vós próprios encontrareis.
Quando estiver muito bravo, triste ou magoado, dê dez minutos de paz a si mesmo. Pare, suba a montanha da vida, veja tudo devagarzinho, reflita e verá que Lorenza, Maria e Pai João estarão ao seu lado. Sinta, então, a paz e a alegria que eles transmitem e, assim, conseguirá passar o amor e o carinho para os 9 que tanto necessitam.
Ide com calma, pois sempre haverá fé no dia em que estiverdes desesperados. Sempre haverá paz, amor e equilíbrio para que possais parar para pensar, para poder subir vossa montanha.
BUSCAR O EQUILÍBRIO DAS EMOÇÕES
Lembrai, tereis que percorrer o caminho que foi destinado a vós. Não tenhais medo, pois o medo vos faz retroceder. Aprendei a parar, a estudar os vossos medos, a entendê-los e, então, descobrireis que o medo de hoje pode ser um grande aliado amanhã.
O medo tem que ser combatido, vencido, porque senão, filhos, não conseguireis subir a montanha sagrada da vida.
Maria acrescenta que a raiva é o nosso inimigo número um. A raiva turva-nos a mente e, por isso, é necessário que a controlemos. Quando estivermos nervosos, é preciso que esperemos um pouco. Por vezes, podemos até ficar muito bravo, contudo, ficando bravo demais, perdemos a lucidez. É preciso que sempre nos orientemos pela busca do equilíbrio. Podemos falar tudo o que quisermos, mas temos que saber onde parar, pois a pessoa que nos escuta também está buscando um caminho melhor, tentando raciocinar, e a braveza alimenta o ódio interior. Quando falamos muitas coisas sem ensinamento, partindo para cima da pessoa, destruindo-a e esmigalhando-a, provocamos ressentimentos e, em segundos, tudo o que foi construído e aprendido ao longo de muito tempo pode ser perdido. Depois pedimos perdão, mas tudo já aconteceu. Essa é uma linha tênue.
Maria nos pergunta:
Vocês sabem o que é uma linha tênue? É como o equilibrista que anda em um fio de arame. Essa é uma linha tênue entre a vida e a morte, entre uma coisa e outra. Ele pode caminhar andando, pererecando, brincando, mas a cabeça dele estará sempre nos pés. É a cabeça que controla todos os passos que dá. Isso é equilíbrio, o equilíbrio das coisas, sejam elas boas ou ruins.
Lorenza nos lembra que a paciência terá que fazer parte de cada um de nós, pois dela precisaremos para resolver os nossos problemas. As pessoas desesperadas debatem-se em problemas e não conseguem ver um caminho, por isso é preciso que as compreendamos e ajudemos. Como Lorenza ensina:
Usai a paciência, pois é uma de vossas grandes chaves.Usai-a com a compreensão. Usai as vossas chaves, mas primeiro usai-as em vós. Vereis, filhos, que não será tão difícil de levar .

PEDIR PROTEÇÃO
Todos os dias, antes de sairmos de casa, precisamos pedir proteção a nosso guia, anjos, arcanjos, Lorenza, Maria, Pai João ou santo de nossa devoção. Para isso, basta que rezemos, façamos os nossos pedidos, mentalizando uma capa transparente de proteção em torno do nosso corpo físico e espiritual.
BUSCAR O DISCERNIMENTO
Por que pondes vossas cabeças para pensar tantas coisas dispersas? Reuni vossos pensamentos e vereis que será mais fácil.
Maria enfatiza que, ao subirmos a montanha sagrada da vida, devemos avaliar a importância de cada coisa. É preciso que enumeremos os nossos problemas: primeiro este, segundo aquele, terceiro aquele outro e assim por diante. Às vezes, conforme começamos a subir a montanha ou por necessidade, o problema de número nove pode passar a ser o de número um. Os problemas devem ser resolvidos um de cada vez. Cada um tem o seu peso e é preciso que saibamos administrá-los para que fiquem mais leves e fáceis de resolver.
Mas se não consegui resolvê, filhinho, chama a Maria: Maria, por favor, me ajuda!
O recolhimento pode ser muito importante para a reflexão quando estamos em dúvida. Lorenza nos explica que a solidão é um tempo para pensarmos, ficarmos quietinhos e lentamente subirmos a montanha sagrada da vida. Maria alerta para não dizermos sim nem não antes do tempo. Antes, devemos subir a montanha para pensar e analisar.
A nossa mente deve ser clara. Não podemos deixar o nervosismo alterá-la, porque esta foi feita para pensar. Devemos tomar cuidado para não pensarmos em rodopios nem em círculos, pois, assim como a linha da vida tem que ser reta, o pensamento também deve ter discernimento.
Podeis pedir a Mim quando precisardes e Eu vos darei. Só atentai para uma coisa: sabei pedir, sabei querer, porque sereis responsáveis pelo vosso pedido. Lembrai, antes de pedir, subi a montanha para ver como quereis que vosso pedido vos seja concedido. Nem sempre, filhos, o que quereis é o melhor.
TER RESPONSABILIDADE COM OS NOSSOS 9
Estamos todos interligados. Na medida em que ajudamos os nossos 9, também se estamos subindo a montanha sagrada da vida. Da mesma maneira, as omissões e o mal que fazemos prejudicam tanto a nós próprios quanto aos nossos 9.
E quem são os 9? Lorenza nos explica:
São aqueles que não sabem, aqueles que se achegam a vós, que pedem conselhos, que conversam convosco, que apenas vos escutam, vos olham, sejam eles vossos pares, vossos companheiros, vossos filhos, vossos amigos e inimigos. Todos dependerão de vós. Por isso, filhos, assim como Eu acendo uma luz na vossa escuridão, acendei vós uma luz na escuridão de todo aquele que se achegar a vós.
Que vós tenhais paciência com vossos filhos que serão os vossos 9. Eles dependerão de vós, de vossas palavras, de vossos ensinamentos. Mas saibais, eles não irão dizer a vós: eu entendi ou eu não compreendi. Eles não darão ouvidos, mas ficará dentro deles a semente que estais semeando.
A interligação entre as pessoas forma uma rede que pode ser comparada à teia de uma aranha. Em analogia ao fio da aranha como elo de ligação, o ser humano lança fios através do pensamento, da palavra e da ação. O que plantams na Terra, seja bom ou ruim, será perpetuado para os nossos descendentes, sejam eles nossos filhos, nossos parentes ou nossos amigos chegados. Todos irão receber tudo o que for deixado. Por esse motivo, devemos tomar muito cuidado com as nossas emoções, pensamentos e ações para não acumularmos mágoas, rancores e raivas, mas, de outro modo, fortalecermos os bons sentimentos, as boas palavras e as boas ações:
Quando vos derem ódio, quando vos derem sarcasmo, quando vos derem descrédito, vinde, filhos, subi a montanha comigo e lá de cima vereis os vossos irmãos, os vossos protegidos, os vossos filhos, os vossos antepassados e pessoas que ainda virão. Rezai por eles. Tende piedade.
APRENDER A PERDOAR
Perdoar não é esquecer. É entender qual foi o motivo que originou o fato. É subir a montanha e olhar de cima esse vosso mundo de tamanho desamor. É olhar para baixo e verificar o que é possível fazer, como fazer para ultrapassar esse obstáculo que está se apresentando a vós. Assim, estareis buscando o perdão não da boca para fora, mas o perdão da vossa alma, o perdão do que foi feito a vós, o perdão em que existe Amor, Paz e Resignação. Daí, passareis a olhar o próximo como um ser humano que precisa mais do que vós.
Iluminareis caminhos escuros, caminhos nublados, mas tereis que vivenciá-los. Mas, antes que possais fazê-lo, tereis que ser um ser humano em pé, tereis que saber dominar vossa mágoa, vossa raiva, vosso desprezo por outras pessoas. Abri vossos olhos, mas sabei olhar. Nem tudo que é ruim é mesmo ruim.
Limpai o vosso pensamento usando a força das cores a começar pelo lilás, indo para o verde, azul, rosa, branco, amarelo e, por último, abrindo-se no vermelho. Assim, estareis limpando do vosso pensamento a mágoa por alguém e a dor por algo ou pela perda de alguém.
No momento em que conseguirdes entender o que a palavra perdão significa, sereis como os passarinhos que voam para o alto.

BUSCAR A LIBERDADE
A alma busca a liberdade e o aperfeiçoamento. Nós, seres humanos, ainda não sabemos ser livres, pois criamos amarras, espinhos em nossas rosas, círculos e círculos em nossas vidas.
Lorenza nos diz:
Deveis ser livres como Eu sou. A liberdade é a razão de ser da vida. Se o ser humano com o seu livre-arbítrio não quiser ser livre, não quiser caminhar para a liberdade, então este ser cairá de degrau em degrau.
Podereis vos machucar na busca da liberdade? Sim, pois no estilhaçar de vossas pedras, sempre algum fragmento vos ferirá. Na explosão de um mal podereis vos ferir por estilhaços. Por isso não griteis, retirai os estilhaços de vós, jogai-os fora. Entendereis o que se passou e estareis livres do que veio, mas não do que virá. Estai preparados para o próximo passo, pois no jogo da vida, o mal e o bem têm a sua vez e vós também.
Maria nos ensina a não ficarmos revoltados. Em vez disso, devemos aprender a oferecer a Jesus Cristo o sacrifício de ultrapassar e perdoar. Este sacrifício será transformado em ajuda a alguém que estiver precisando. Jesus Cristo recebe as amarguras e as transforma em coisas boas… boas como uma chuvinha de verão ou como o frio gostoso que refresca um dia calorento. A palavra sacrifício é um grande mistério, pois só há sacrifício onde houver amor. Sacrificar significa tornar algo sagrado, algo santo.
Que a Paz e o Amor inundem o vosso ser. Que o vosso cérebro possa, outra vez e sempre, transformar em pedregulhos as dores que tendes por tanta injustiça, por tantas coisas pelas quais passais.

Como saber se estamos subindo a montanha sagrada da vida?
Sabereis o que buscar na montanha sagrada da vida somente quando sentirdes a compreensão do fato que vos aborrece, que vos entristece, que vos encanta. Tereis que possuir o conhecimento real do problema ou do fato que se apresenta a vós. Encontrareis vários tipos de conhecimentos: o conhecimento simples, o conhecimento de que vós ouvireis falar. Tereis que ir em busca do conhecimento real do fato. Sereis, neste caso, não apenas vós, o ser humano, mas sim, o juiz de vosso caso, do vosso fato. E quando estiverdes no ponto de conseguir julgar como um verdadeiro juiz os vossos próprios fatos, as vossas pedras e aceitá-las, tereis galgado mais um degrau. Depois de tudo isto, tereis que continuar ainda a subir nessa escala da evolução até chegar ao ponto que é o perdão. Quando tiverdes alcançado este ponto, estareis livres, filhos, para a vossa próxima missão. Sereis um ser livre que busca a liberdade e esta será necessária para vós. Não necessitareis de mais nada. Sereis um ser livre que entenderá, que respeitará e que tentará pôr vossos seres humanos em pé.
Vinde filhos. Subi comigo a montanha sagrada e, então, sabereis o que fazer, como fazer e onde fazer.
Darei a vós algo que perdestes há tanto tempo: a alegria de estar em paz, a alegria de viver, a alegria de olhar um ser humano e pensar: ’eu fiz tudo o que pude, estou em Paz”.
Soltai o vosso amor, soltai a vossa fé, soltai o vosso equilíbrio. Sede como o fio da aranha costurando todos esses pontos para que se forme uma teia forte e possais ser um ser-humano-em-pé. Aquele ser humano que sabe o que é sofrer, mas sabe o que é sorrir, sabe o que é lutar, sabe aproveitar, sabe amar, sabe o que é a paz. Então sereis um ser íntegro e inteiro com Paz, Amor, Equilíbrio, Fé e Honra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.